Assuntos Íntimos Femininos

A menstruação: é um sangramento natural decorrente da descamação da parede interna do útero, por ser natural, seu período exato depende da constituição física de cada mulher. Quando uma mulher está menstruada ela é considerada impura e algumas restrições religiosas são impostas como: proibição para rezar, recitação do Qur’an, jejuar e manter relação sexual com seu marido. Sua entrada na Mesquita também fica suspensa.

A menstruação marca o início da puberdade (bulugh), esta pode apresentar-se precocemente, antes dos nove anos de idade ou tardia, por volta dos dezoito anos de idade. Outro sinal do início dessa fase é a polução noturna, vulgo “sonho molhado” , isso acontece na maioria dos rapazes podendo também aparecer nas meninas como consta no Al-Bukhari, quando Umm Sulaima foi ter com o Profeta (saw) e perguntou: “Ó mensageiro de Deus! Deus não se envergonha da verdade, será que o banho é obrigatório para mulher se ela tiver o ehtelám (sonho molhado)”?

O Profeta (saw) respondeu: “Sim, se ela verificar o líquido.”.Porém se ela verificar que da vagina lhe sai algum sangue antes de atingir a puberdade, então isso se chama isstihada ou seja , hemorragia vaginal. No caso de não se verificar nenhuma dessas ocorrências, a menina será considerada baligha (púbere) ao atingir 15 anos.

Antes da puberdade a criança não tem nenhuma obrigatoriedade perante a Shari'a, porém na adolescência, ela já é considerada uma personalidade independente dos pais, sujeita por tanto às leis da Shari'a e devendo cumprir com as obrigações religiosas, como fazer as orações, o jejum e a obrigatoriedade do hijab (véu) para as meninas. Nesse momento é importante a separação entre homens e mulheres. Essa é uma fase preocupante para os pais pois com as mudanças físicas na criança ocorrem também as mudanças psíquicas e comportamentais, é importante a atenção dos responsáveis para evitar que o adolescente cometa haram, pois é um período onde o indivíduo está muito susceptível a influências externas como a comparação ao comportamento de amigos, programas de TV ou gosto pela música. É fundamental uma diretriz rígida baseada nos princípios islâmicos, para que o adolescente não desvie seu caminho dos ensinamentos de Allah (swt) a fim de tornar-se um muçulmano consciente e que venha a fortalecer nossa Ummah.

Período menstrual (haid) e hemorragia (isstihada):

Segunda o Imam Abu Hanifa é considerado menstruação quando vemos o sangue do lado de fora da vagina, sua cor pode ter alterações como marrom, vermelho, preto e outras tonalidades. Para ele o período mínimo de menstruação é de 3 dias, menos que isso é considerado hemorragia (isstihada); e o máximo é de 10 dias, sendo considerada hemorragia quando ultrapassar esse período.

Para o Imam Shafi, o período mínimo para ser considerada menstruação (haid) é de 24 horas e o máximo, 15 dias.

Para ele se uma mulher verificar sangue por um dia e depois parar por um período de 13, e verificar novamente o sangue por um dia, todo esse período é considerado menstruação.

Segundo a Shari'a não é necessário um fluxo contínuo para ser considerada menstruação, pode acontecer uma interrupção no sangramento e depois de alguns dias o sangue voltar, a mulher durante todo esse tempo considera-se menstruada e obedece suas restrições religiosas até o termino de seu período.

O intervalo mínimo entre o período menstrual é de 15 dias, caso ocorra sangramento em menos tempo do que isso, é considerado hemorragia, então a mulher faz wudu' antes das rezas e segue com suas obrigações religiosas, pois as proibições só são válidas para menstruação, a hemorragia é considerada uma alteração fisiológica, uma patologia e não uma impureza.

Passado o período de menstruação, de 10 a 15 dias dependendo da escola, caso a mulher continue sangrando, isto também é considerado hemorragia (isstihada), então ela deve tomar banho completo para purificar-se (ablução completa,gusul), devido ao termino de seu período e voltar a realizar suas orações. Então, fica estabelecido, que quando uma mulher possui um sangramento irregular, passado o período estipulado de menstruação, realiza a ablução completa uma vez e realiza a ablução parcial (wudu') sempre antes de cada oração.

É fundamental a mulher conhecer seu ciclo para poder definir o que é menstruação e o que é hemorragia, devendo basear-se na Shari'a para essa definição e seguir com suas recomendações para retomada das obrigações religiosas.

A mulher menstruada não precisa repor os dias de reza que foram perdidos, porém no caso do jejum ela deve repor os dias perdidos.

Quando o período da mulher acaba ela deve banhar-se e retomar a reza imediatamente, caso perca alguma reza, uma vez que sua menstruação já terminou, esta deve ser reposta.

Caso a menstruação inicie enquanto a mulher estiver jejuando, ela deve quebrar o jejum imediatamente, mesmo faltando poucos minutos para seu término, então esse dia de jejum foi perdido, havendo necessidade de sua reposição depois.

Todas as atividades do Hajj são permitidas quando menstruada, exceto o Tawaf, pois esse é feito dentro da Mesquita, onde a mulher em seu período fica proibida de entrar.

Caso ela seja professora de Qur’an, pode ensinar falando as palavras sem recitar. Ela não pode recitar um versículo inteiro. Não pode tocar em nada que esteja escrito uma Aya (versículo) completo. Pode realizar du’a e zikr (recordação de Deus). Dentro de seu período, se escutar um versículo do Qur’an com Sajdah não lhe é imposto cumprir com essa obrigação. É desaconselhável uma mulher menstruada dar banho no morto.

Niffass: é o sangue que sai da vagina após o parto ou aborto, seu período é no máximo de 40 dias, para i Imam Hanafi, e de 60 para o Imam Shafi. Além desse tempo é considerado isstihada (hemorragia). O niffass segue as regras da menstruação. Não existe um período mínimo para o niffass, há mulheres nas quais não ocorrem esse sangramento pós- parto.

Após o parto a mulher deve banhar-se; caso não haja niffass, por exemplo em uma cesariana, e por questões médicas ela não puder tomar banho, pode-se realizar o tayammum (ablução especial) e voltar a rezar.

Caso a mulher sofra um aborto antes dos 3 meses de gravidez deve-se verificar se o feto já passou de oitenta dias de gestação e adquiriu forma humana, nesse caso o sangue que escorrer é considerado niffass. Caso o feto ainda não tenha adquirido forma humana, então não é niffass, a mulher deve fazer o wudu' e realizar suas orações, assim como o jejum e pode manter relações sexuais com seu marido.

Segundo o Imam Abu Hanifa o sangue que sai da vagina enquanto a mulher estiver grávida não é menstruação, ela se purifica (wudu') e continua suas prescrições religiosas.

Enquanto grávida a mulher pode manter relações sexuais com seu marido pois não há nada nos hadiss ou no Qur’an que proíba isso, desde que isso não cause prejuízo ao bebê. Caso uma mulher morra no parto ela é considerada mártir e se morrer logo após sua criança nascer, seu bebê a conduzirá ao paraíso!

Observações:

Uma mulher não deve afinar sua sobrancelha, isso é haram pois se considera alteração da criação de Deus, também não deve deixar as unhas crescerem como fazem as mulheres não muçulmanas, isso é coisa de animal que se defende com as garras, o uso do esmalte impede que a mulher realize o wudu', pois o esmalte não deixa a água chegar até as unhas para sua purificá-las. Não é permitido raspar os cabelos imitando um homem, salvo se tiver alguma prescrição médica, a mulher pode cortar seus cabelos, com autorização de seu marido, desde que seu corte não imite as não muçulmanas.

A verdadeira crente tem orgulho em se diferenciar em tudo das não crentes: sua maneira de agir, pensar, vestir e embelezar-se. A cultura islâmica foi revelada por Deus e por isso é perfeita desde que seguida em sua integra. A flexibilização das regras islâmicas traz contradições que acarretam em distorção de comportamento e enfraquecimento da Ummah, é importante a mulher observar com cuidado suas atitudes, pois ela é o exemplo para os filhos, e para que o islam retome seu lugar de liderança no mundo precisamos de gerações que se orgulhem de serem muçulmanos! Que se orgulhem de serem diferentes dos descrentes!