A Crença

Tenciona-se na crença: « A coletânia daquilo que nele crê o homem, relativo a idéias e esclarecimentos alusivos á interpretação sobre o surgimento do Universo e da vida, e no que se concebe sobre isso em raciocínio e entendimentos»; e as idéias que aludem á formação do universo, tal como a fé em Deus.. a fé no fim do mundo.. na existência dos Profetas e Apóstolos como sendo os emissários e os comunicadores sobre Deus.. e a confirmação sobre um mundo na Eternidade e no que se conexa aqueles teoremas e suas ramificações alusivas aos pensamentos, esclarecimentos e crenças, como, a fé nos anjos, na execução, na predestinação, etc... O que em sua totalidade se compreende como« Crença Divina».

Com isso, a crença islâmica se constrói sobre pilares básicos, que se ramificam em diversas convicções; todavia, os pilares básicos são:

a) A fé em Deus Uno e Único:

b) A fé na profecia.

c) A fé no mundo da eternidade.

É evidente que a crença na profecia e no mundo da Eternidade, se prende na fé em Deus Glorificado... e aquele que crê e Deus e em Sua existência... a sua própria fé acaba levando-o a acreditar nas palavras da profecia e no mundo da Eternidade e em tudo que nele existe, em se tratando de punições e recompensas.

E, para melhor esclarecimentos, segue abaixo algo que posa esclarecer cada elemento desses três itens citados anteriormente, conforme as etapas explicativas:

A FÉ EM DEUS UNO E ÚNICO

É natural que a fé em Deus, Criador do magnífico Universo, é a base do Islam e a expansão do pensamento, da cultura, do comportamento e do labor do muçulmano... e é nessa base que se constroem todas as decisões, resoluções, pronúncias e expressões da crença e da filosofia da natureza e da vida, etc...

E o Islam consolidou a crença e a fé em Deus Glorificado, baseado no argumento e na evidência racional, recusando as imitações e as seqüenciais... e com isso, o Imám Ali Ben Abi Táleb (A. s ) disse:

« O primórdio da religião é o Seu conhecimento(2), e a perfeição de Seu conhecimento é unificá-lo, e o aperfeiçoamento de Sua unicidade é a sinceridade com Ele».

A crença islâmica se consolida sobre a base da convicção na Unicidade total de Deus Glorificado... riscando qualquer parceiro, similar, representante e tudo que se Lhe opõe ou critica,etc... afastando d` Ele todas as qualificações humanas ou naturais por serem incompletas e abjetas diante de Sua Grandeza... porque Ele é a própria riqueza e absoluta perfeição!

E para se consumar a total unicidade de acordo com a crença islâmica, a fé deverá se concretizar na Unicidade de Deus em quatro imperativos que são:

1º. - Unicidade de Deus em Si mesmo

Para que a unicidade total seja concretizada, a fé deverá ser de que Ele é Uno, Único, singular em Si mesmo e que nada do que Ele criou, se assemelha a Ele.

Deus Supremo descreve a Sua sagrada entidade, conforme é mencionado no Corão:

«... Nada se Lhe compara e Ele é o Oniouvinte, Onividente»

Corão Sagrado (Surat Achúra- C. 42, Parte do Vers.11)

«E não há quem se Lhe compara»

Corão Sagrado (Surat Al-Ikhláss- C.112, Versículo4)

E esta verdade, só a expõe a mente sã e a lógica científica.. e nós sabemos de que o motivo se distingue do resultado, assim como, o marceneiro se distingue da cadeira, ou, o artista- plástico se distingue do quadro por ele pintado.. Portanto o Criador se distingue de Suas criações.

É mister apontarmos aqui, de que a mente humana só concebe aquilo que ela imagina.. E Deus Glorificado está afastado desta hipótese porque, a razão não compreende a verdade sobre Ele.. e como haveria de compreender a verdade divina, se ela é incapaz de conhecer a verdade da matéria deste mundo, apesar de vê-la e sentí-la, e até, conseguir descrevê-la, decifrá-la e conhecer a sua origem, porém, não conhece a sua verdadeira importância, mesmo que consiga decodificá-la com outros elementos.

Portanto, como se poderia conseguir compreender a verdade sobre o Magnífico Criador?!... No entanto, o Corão Sagrado nos esclarece com a Revelação de Deus:

«... e eles discutem sobre Deus, quando Ele é inexoravelmente vindicativo (1) »

Corão Sagrado (Surat Arraad - C.13, Versículo13)

2º. - Unicidade de Deus em Seus atributos

O segundo pilar da Unicidade é a fé de que Deus é Uno em Seu caráter, pois Ele é o único cujo atributos virtuosos.. e é d`Ele todo o complemento, seja pela sapiência, poder, capacidade, autoridade, riqueza, etc... e Ele è o único que está afastado de todo e qualquer defeito, por isso, nada se Lhe assemelha em virtudes, e isto é fato consumado, pois as qualidades se distinguem, tal como o Sol se diferencia da Terra, as características de Deus Glorificado se distinguem das criações.. e é isso o significado das palavras corânicas que dizem:

« É a Deus pertencem os atributos sublimes; invocai - O pois com eles...»

Corão Sagrado (Surat Al-Aaráf - C.7, Versículo180)

E é como significam suas palavras:

«Louvado seja Deus, Senhor do Universo»

Corão Sagrado ( Surat Al-Fátiha- C.1, Versículo2)

Isto é, são d`Ele unicamente todos os atributos louvados.

E eis o significado da verdadeira palavra de Deus:

«Glorificado seja o teu Senhor! O Senhor do poder, afastado de tudo que se Lhe atribuem»

Corão Sagrado (Surat Açáfát- C.37, Versículo180)

O que significa, o afastamento de Deus de toda e qualquer característica nociva que Lhe atribuem os idólatras e os ateus; portanto, a unicidade nos atributos não se concretiza senão pela confirmação daquilo que deve ser confirmado com as características de Deus, as quais se compreendem no Poder- Sapiência- Capacidade- Discernimento- Escolha- Vida- Precedência- Imortalidade- Prudência- Sabedoria, etc...e abominação das particularidades degradantes que não convém atribuí-las a Deus, tais Necessidades e a Imperfeição, assim como a necessidade do tempo e do lugar.. A prática do mal é do que é detestável.. A fraqueza dos corpos, que seria a fragilidade física e a incapacidade espiritual, moral e intelectual, ou seja, Características Negativas.

3º. - Unicidade de Deus em Seus atos

O terceiro pilar da Unicidade, é a singularidade de Deus em Seus atos, pois assim como Deus Glorioso é singularizado em Sí mesmo e em Suas características, Ele é singular em Suas ações... Portanto, é natural que os atos se comprometem com a identidade e as características... Tal como a mão não consegue realizar algo sem a intenção da mente, por distinguir-se dela.. ou, como o vento não pode realizar o que a corrente elétrica faz em uma lâmpada, por se tratarem de naturezas distintas... Logo, ninguém pode fazer o que Deus Altíssimo realiza, e tudo que o ser humano realizou com inventos, só conseguiu efetuá-los pelo uso das normas da natureza que Deus Glorioso criou... e tais inventos só se realizaram por intermédio da mente e do raciocínio que Deus beneficiou o homem com eles... Assim sendo, o homem está preso à coleção e resultado de acordo com as leis da natureza, somente.

Deus Glorificado é o único que pode e consegue criar, providenciar, dar a vida e tirar a mesma, fazer ressuscitar aquele que está sepultado no túmulo... enfim, Ele a tudo pode e realiza o que quiser e bem entender, porque Ele é Poderosíssimo sobre todas as coisas!

Ninguém além d‘Ele possui influência sobre as criações ou consegue realizar os feitos de Deus Glorificado, e tampouco fazer o que Ele faz!

4º. - Unicidade de Deus na adoração

A verdadeira unicidade só se concretiza com a Unicidade de Deus, através da adoração e da devoção com sinceridade e lealdade para com Ele unicamente, porque Ele é o Criador e é o Reinante sobre todas as criações do Universo, bem como, Ele é o Beneplácido e o Favorecedor sobre tudo o que Ele criou!... Logo, Ele é merecedor de toda a devoção, porque todas as mensagens divinas invocaram à obediência e à submissão total, única e somente a Deus.

Deus Supremo disse através das Revelações transmitidas ao Apóstolo Muhammad pelo Arcanjo Gabriel (a.s):

« Eu sou Deus, não há divindade além de Mim! Adora-Me e observa a oração para que Eu seja mencionado»

Corão Sagrado(Surat Taha - C.20, Versículo 14)

E disse mais, Glorificado seja, para a orientação do homem:

« Só a Ti adoramos e só a Ti ansiamos o auxílio»

Corão Sagrado (Surat Al - Fáteha - C.1, Versículo 5)

A adoração é recompensa ao bondoso agraciado, e é reconhecimento pelo sua bondade, bem como, a adoração é atendimento aos seus direitos, pelo qual, deixa traços complementares no ego humano... e quando o instinto religioso se volta ao âmago do ego humano, o homem acaba se dirigindo à direção certa.. e então, não ocorrerá adulteração em seu íntimo, dando motivo para que os tiranos o humilhem e o submetam a eles, passando a ser escravo dos dominadores e dos arrogantes e orgulhosos... Porém, com a adoração a Deus unicamente, a verdade será uma precedência para libertação do homem em se submeter a alguém além de Deus... Ou, pelo grandioso sentimento em relação a Deus, o homem sentirá o sabor da liberdade e possuirá a própria dignidade apesar de todas as perseguições e opressões por ele sofridas.

Em destaque sobre o significado de que adoração a Deus ser o direcionamento a Deus, por ser a procedência do bem, a harmonia e do direito à existência, a alma sente elevar-se nestes predicados e passa à perfeição e à ascensão, tornando-se um exemplo e um alvo superior para a meditação e o comportamento humano... E o muçulmano sabe que seu Criador é qualificado com as características da perfeição e a Ele se destinam todos os atributos virtuosos e sublimes, porque Ele é o Justíssimo, o Misericordioso, o Prudentíssimo, o Absolvente , o Afetuoso, o Reconhecido, o Generoso, o Benevolente, o Clemente, o Protetor, o Verídico, etc...

Estas e outras são as características virtuosas do Deus adorado e amado pelo sincero devoto, que as usa na sua devoção a Deus.. e com isso, ele fundamenta de acordo com estes atributos em sua vida afim de construir a sociedade e o relacionamento humano sobre as bases destas qualificações divinas e prioritárias, afim de efetivar a justiça, o afeto, a misericórdia, a bondade, etc... pela conduta e pela realidade da vida.

O nobre Apóstolo Muhammad sempre direcionou os muçulmanos para estes rumos, dizendo-lhes:

_ “ Conduzam-se pela índole de Deus! ”

Ressaltamos que as devoções islâmicas têm influência sobre a educação e o ajustamento na vida particular e social de cada um, tais como, a oração, a prece (súplica a Deus), o jejum, a peregrinação, o voto de promessa, etc...

A EQUIDADE DIVINA

«Deus dá testemunho de que não há divindade senão Ele, e os anjos e os sábios confirmam -nO Justiceiro. Não há divindade exceto Ele, o Poderoso, Prudentíssimo»

Corão Sagrado (Surat Ále Imrán - C.3, Versículo18)

«Deus ordena a justiça, a caridade e o auxílio aos parentes...»

Corão Sagrado (SuratAnnahl -C.16, Versículo90)

«...e teu Senhor não oprimirá a ninguém»

Corão Sagrado (Surat Al-Cahf- C.18, Versículo49)

Dos atributos de Deus Glorificado está o atributo de que Ele é justo, não oprimindo nenhuma de suas criaturas e não estabelece nada para o servo, em proveito próprio na Sua prudência.. porque a opressão é algo abominável e defeituoso.. E, só é oprimido, aquele que é fraco ou aquele que necessita oprimir os outros a fim de dominá-los ou executar seus objetivos, ou aquele que ignora o quanto esta atitude é injusta e detestável.. e Ele Glorificado é Poderosíssimo, Rico e Sapientíssimo, e por ter estas qualificações, Deus não necessita da opressão e tampouco a ignora, pois Ele é diligente na justiça e na imparcialidade.. e com a justiça e o direito, Ele criou os céus e a Terra e tudo que neles existe!

Deus Altíssimo revelou:

«...e teu Senhor não oprimirá a ninguém»

Corão Sagrado (Surat Al-Cahr- C.18, Versículo49)

«...e não os oprimidos, porém, condenaram-se a sí mesmos»

Corão Sagrado (Surat Annahl- C.16, Versículo18)

Deus, portanto, não pratica a maldade e não aprova ou concorda em sua prática, e tampouco ama os opressores...Pois Ele é Equitativo; e o equitativo é aquele que «não pratica o abominável e não omite algum dever», ou seja, Deus Glorioso não pratica algo detestável, tal como a tirania e mentira, e não faz com que o ser humano fizesse aquilo que ele é incapaz de realizá-lo, ou que o obrigasse a algo que lhe é um fardo pesado... ou, deixa as pessoas sem prestação de contas ou recompensas, depois de tê-las encarregado de cumprirem os encargos e as obrigações.

E não se omite algum dever. E o significado do dever em relação a Deus, é a firmeza de algum interesse em Sua prudência, pois Ele não o omite, isto é, não o rejeita e deve ser realizado, tal como o envio dos Profetas, das Legislações e das religiões, para a salvação da humanidade em sua orientação.

AS EVIDÊNCIAS DA JUSTIÇA DE DEUS

A justiça de Deus Glorificado é evidente e clara em tudo, assim como:

1-A Criação e a Formação- Nenhuma criatura foi injustiçada com a sua criação e a sua formação; e Deus criou tudo pelo direito e pela justiça... Vejamos pois, a justiça divina na formação do corpo humano... Por conseguinte, deu-lhe o dom da audição, da visão, dos sentidos, do raciocínio, do movimento, da locomoção... enfim, criou-o de uma forma conveniente à sua vida nesta Terra a fim de poder viver nela.

2- Na fatalidade e Casualidade- Deus é justo em tudo que diz respeito à fatalidade e casualidade, em consideração às criaturas.. tal como na morte, a hora derradeira, a providência e os incidentes que acontecem ao homem pela fatalidade e vontade de Deus, etc.. .Por isso, Ele compensa Suas criações pelas dores e pelas perdas que os assolam (pela vontade de Deus Glorificado) de forma que Ele avalia a dor que está lhe ocorrendo... e Ele não faz isto senão pela sabedoria e conveniência dos servos, os quais não conseguem entender o seu significado.

3-Na Responsabilidade e Legislações-

As Legislações e as Leis divinas se comparam à justiça e a equidade, e nelas não há iniquidade, e, devido à Sua imparcialidade, Ele não responsabiliza ninguém por algo acima de sua capacidade. E Deus Supremo revelou:

«Deus não responsabiliza uma alma por algo, senão até seu limite...»

Corão Sagrado (Surat Al-Baqara- C.2, Versículo286)

Logo, as responsabilidades e os deveres são de acordo com a capacidade do homem... e Deus Glorioso não sobrecarrega alguém com algo que não possa efetivá-lo. Por isso, o inferno é isento da obrigatoriedade de jejuar.. por exemplo. E aquele que não encontra água e teme não poder fazer “Al-Wodú”, ou seja, a ablução ou não contar com tempo suficiente para adquirir água, deverá se limitar no Atayâmmom isto é, esfregar as mãos e o rosto com areia ou terra... Enfim, os exemplos são vários, e, das mais expressas evidências da justiça divina é a justiça social e a justeza entre os homens em todas as ocasiões da vida, opondo-se contra os tiranos e obstando suas opressões e o abuso de autoridade.

Deus Supremo revelou:

« Deus ordena a justiça e a bondade... »

Corão Sagrado (Surat Hannahl- C.16, Versículo 90)

4-Das Confirmações da justiça Divina- Deus favoreceu o homem com o direito de escolha... e o ser humano procede de acordo com a sua opção, pois somente ele daria preferência a prática do bem, tal como auxiliar o mais fraco e necessitado, acatar os genitores, orar, ser justo, ser caridoso, respeitar os direitos do próximo, etc.. ou, somente ele daria primazia à prática do mal, tal como a opressão, o assassinato, a embriagues, o uso de drogas, o roubo, o descaso e outras maldades... E Deus não obriga ninguém a praticar algo, mesmo que o homem venha a merecê-lo, seja recompensada ou punívelmente... Contudo, Deus dá ao homem o direito de escolha... Logo, Ele lhe dá o merecido, de acordo com a sua escolha, boa ou má... Pune aqueles que preferiram a desobediência e gratifica os que escolheram a obediência... e Ele Supremo, revelou:

«E lhe mostraremos as duas direções»

Corão Sagrado (Surat Al-Bâlad- C.90, Versículo10)

Isto é, esclarecemos-lhe os dois caminhos: o caminho do bem e o caminho do mal...

E Deus Altíssimo revelou mais ainda:

«E lhe mostramos o caminho, quer sejam agraciado, quer seja ingrato»

Corão Sagrado (Surat Al Inssán- C.76, Versículo 3)

5- Das Confirmações da Equidade Divina- A recompensa de uma existência boa e tranqüila no mundo da Eternidade para o benévolo... e a punição para o perverso pelas suas maldades.. e não fossem as recompensas, o bondoso e o malévolo se igualariam... e isso seria justo aos olhos de Deus!

Assim como está mencionado no Livro de Deus:

«E que toda alma seja recompensada segundo seus atos e não sejam injustiçados»

Corão Sagrado (Surat Ajjáthia- C.45, Versículo22)

6- Da Equidade de Deus Glorificado-Ele não pune alguém pelos atos de seu semelhante, exceto que tenha sido o motivo ou o mandante para tais atos .. Nesse caso, ele seria o cúmplice nesta responsabilidade.

Deus Supremo revelou:

«... e não arcareis com as culpas alheias».

Corão Sagrado (Surat Al- Anaám- C.6, Versículo 164)

Isto é, ninguém responde pelas culpas do outro.

A CRENÇA NA PROFECIA

O segundo pilar da Crença Islâmica, é a fé na Revelação (Al-Wahí) e na Profecia (Annubúwa)... e a convicção nos Profetas e Apóstolos e pelo que vieram anunciar, no que alude a reformas e grandiosos princípios cívicos... e o Corão Sagrado confirma a palavra de Deus:

«Dizei: Cremos em Deus e no que nos foi revelado e no que foi revelado a Abraão, a Ismael, a Isaac, a Jacó e a Al-Assbátt, e no que foi concedido a Moisés e a Issa (Jesus) e no que foi dado aos Profetas por seu Senhor; não fazemos distinção entre algum deles e nós Lhe somos muçulmanos (submissos)».

Corão Sagrado (Surat Al-Baqara- C.2, Versículo 136)

E os Profetas foram homens escolhidos por Deus, para divulgarem as Mensagens Divinas e melhorar a conduta humana, por terem sido completos, racional e mentalmente, cujo comportamento impecável...

Deus Supremo revelou:

«Deus escolhe os Apóstolos dentre os anjos e os humanos, pois Deus é Oniouvinte e Discernente»

Corão Sagrado (Surat Al-Hadj- C.22, Versículo 75

E todos os Profetas exortaram para a Unicidade de Deus e Sua devoção, comunicando a Sua existência e divulgando as Mensagens Divinas, inclusive, induziram os homens à prática do bem, do aperfeiçoamento e da nobreza de caráter, sempre debatendo a injustiça, a corrupção e os tiranos... Anunciaram a recompensa divina e alertaram contra a punição... Por isso, as mensagens de todos os Profetas se conexam com a fé de Deus, na revelação (Al-Wahí), na Profecia (Annbúwa), no mundo da Eternidade e em tudo que contém recompensas e punições.

A ideologia islâmica se fundamenta nos alicerces da crença nas profecias de Muhammad, que era favorecido com milagres, ressaltando o eterno milagre que é o Corão Sagrado, o qual ninguém consegue assemelhá-lo... genitivo outros milagres ocorridos no tempo do Apóstolo de Deus.

A convicção nas profecias de Muhammad significa a reprodução de todas as mensagens divinas por falta de seu correto prosseguimento... Por isso, é mencionado no livro de Deus:

«Para Deus, a religião é o Islám...»

Corão Sagrado(Surat Ále Imrán- C.3, Versículo19)

Em outro versículo lê-se:

«E aquele que tenciona outra doutrina que não seja o Islam, ela jamais será aceita; e na Eternidade contar-se-á dos desventurados»

Corão Sagrado (Surat Ále Imrán- C.3, Versículo85)

Isto porque, a mensagem islâmica é a mais completa e capaz de solucionar todos os problemas do homem, a qual Deus preservou e protegeu contra a simulação e adulteração.

Tanto Moisés quanto Issa (Jesus)- a paz esteja com ambos- anunciaram a vinda de Mohammad, e seu nome foi mencionado na Tóra e no Evangelho, e os judeus na ocasião, aguardavam a vinda de um Profeta que reformaria a Terra e comunicaria as Mensagens de Deus, porém, eles esperavam que este Profeta seja de sua própria gente, e quando viram que ele era do povo árabe, eles o desmentiram e subestimaram, e assim o fizeram também os cristãos, apesar de estes últimos, terem sido comunicados pelo próprio Messias Issa (Jesus)- a paz está com ele- e depois mencionado e confirmado no Evangelho.

Deus Supremo revelou:

«...os quais seguem o Apóstolo, o Profeta iletrado, que o encontram mencionado com eles na Tóra e no Evangelho, e os ordena com o obséquio e os adverte contra o ilícito e lhes libera as satisfações e lhes veda as malícias e os alivia de seus fardos e dos grilhões que os deprimiam, e aqueles que creram nele e o dignificaram e triunfaram e seguiram a luz que se revelou com ele, estes, são os bem aventurados»

Corão Sagrado (Surat Al- Aaráf- C.7, Versículo157)

«E quando Issa Ben Mariam disse: Ó filhos de Israel, eu sou o Apóstolo de Deus, enviado a vós, corroborante de tudo que há entre as minhas mãos do conteúdo da Tóra, e alvissareiro de um Apóstolo que virá depois de mim, chamado Ahmad; e quando ele (Mohammad) lhes apresentou as evidências, disseram: Isto é pura mistificação!»

Corão Sagrado (Surat Açâf- C.61, Versículo6)

No Evangelho de João, discípulo do Senhor Jesus o Messias- escrito no aramaico (e depois passado para o grego) antes de sua adulteração- estava mencionada a anunciação do Messias sobre Mohammad, conforme segue:

«E quando vier o Al - Monhamanna, aquele que Deus enviará a vós pelo Espírito Santo; este que surgirá por parte do Senhor, e ele será a minha testemunha e vós também, porque vós sempre estivestes comigo. Por isso, eu vos anunciei para não lamentardes».

E o Evangelho de João menciona em nome do Messias , quando ele anunciou a seus discípulos, orientando-os sobre a vinda de Mohammad, o Profeta esperado , que viria depois dele, o Messias disse:

«Ainda tenho muitas coisas para nos dizer, mas não sois atualmente capazes de suportá-las. No entanto, quando esse chegar, o Espírito na verdade , ele vos guiará à toda a verdade, pois não falará de seu próprio impulso, mas falará as coisas que ouvir e vos declarará as coisas vindouras . Esse me glorificará, porque receberá do que é meu e vos declarará»

Evangelho de João- Capítulo16,Versículos de 12 até14

Por isso que o Imperador abissínio Al- Nagáchi , que era na ocasião cristão, acreditou e deu testemunho sobre o vaticínio de Mohammad, depois que ele conversou com Jaafar Ben Abi Táleb, líder dos emigrantes muçulmanos, que partiram de Meca para Abissísia (Hoje, Etiópia); e Al-Nagáchi, juntamente com o clero cristão, choraram emocionados após ouvires Jaafar recitar a surata dedicada a Marian mãe de Jesus, o 19º Capítulo do Corão Sagrado, e no final, o Imperador abissínio falou:

"Isto, e o que Issa divulgou, vem do mesmo nicho”

A CRENÇA NO MUNDO DA ETERNIDADE

O terceiro pilar da Crença Islâmica, é a convicção no Mundo da eternidade, e na vida após a morte... considerando que a existência terrena é uma etapa na vida do ser humano... e que os atos nesta existência estão conexos com o Mundo da Eternidade.

O Corão Sagrado alude em muitos dos seus versículos sobre o Dia da Ressurreição e o Mundo da Eternidade, bem como, faz referências à respeito da punição e da recompensa.

A Crença Islâmica, que está conexa ao Mundo da Eternidade. se alicerça nos seguintes princípios:

1- O homem é formado de corpo e espírito.. e a morte é a expressão da ruptura entre o espírito e o corpo, o qual nada mais é do que um invólucro para que o espírito possa viver nesta Terra.

2- O mundo material, em se tratando da Terra, do Sol, da Lua, das estrelas, dos seres humanos, dos animais, etc... caminha para a extinção e decomposição... Nada permanece nesta existência além de Deus Glorificado!

3- Deus ressuscita os mortos e faz renascer os que estão nos túmulos da mesma forma que os criou inicialmente.

4- Todas as ações dos seres humanos estão registradas, sejam elas boas ou más, e nada delas se perderá; e os humanos serão julgados por seus atos com justiça e equidade.. Os bondosos serão recompensados, e os iníquos serão punidos.. É o Paraíso ou o Fogo.. para a existência eterna e permanente, enquanto que a vida terrena é uma etapa transitória, sujeita à extinção.

Os estudos da física, confirmam a extinção da matéria e do Sistema Universal.. pois a Terra, o Sol, a Lua e o nosso mundo em geral- apesar das descobertas da ciência experimental- aguarda-os uma calamidade natural, que extinguirá a sua existência e determinará o seu destino, conforme o esclarece o Corão Sagrado em seus nobres versículos.

Diante da conjuntura destes fatos, é mister indicarmos aqui, algo sobre ciência experimental, alusiva ao término do Universo e da vida do planeta Terra.

Isaac Newton, afirmou em seus estudos de física, que “ o conjunto deste sistema (solar) caminha para a decomposição e está se aproximando à uma etapa onde haverá um nivelamento de temperatura entre sí...”

Os próprios astrônomos estão de acordo com esta teoria, por verificarem que o Sol está perdendo o grau de sua temperatura até esfriar por completo. Neste tempo, aumentar-se-á o seu volume e a Lua cairá em sua gravidade. O Sol a engolirá, e o astro- rei se fenderá, e então, ocorrerá a catástrofe da natureza com o Sol, a Lua e a Terra, e se modificará o sistema deste conjunto, tal como está afirmado no Corão Sagrado.

Assim como foi afirmado pelos estudos científicos, de que este mundo (O Sistema Solar) tem uma existência limitada e que extinguirá através de uma catástrofe fatal, os mesmos estudos confirmam a existência de entidades espirituais, as quais permaneceram após a sua ruptura de corpo humano...Especialmente os médicos, que conseguiram preservar vivas algumas células retiradas do corpo e conservá-las em sua eficácia através do oxigênio e nutrientes especiais, retirando a causa da rejeição e as isolando dela... Inclusive, algumas células do corpo permanecem vivas por longo tempo, após a morte física do homem, as quais passam a ter uma vida vegetal, semelhante às células vegetais.

Isso mostra, que o espírito não tem nada com a energia física, visto que ele é uma entidade à parte do corpo e seus movimentos... Por isso é que as células continuam vivas depois que o espírito se separa do corpo.

E a Crença Islâmica determina:

1- A morte simboliza a ruptura entre o espírito e o corpo.. e que o espírito permanecerá eterno em outro mundo.

2- Após a morte física, o homem passa por um período ou uma etapa intermediária chamada ”Álam Al-Barzakh”, ou seja, “O Istmo” ou mais precisamente, “O Limbo”, antes do grande Dia da Ressurreição e a Recompensa Eterna.

O Livro de Deus menciona o seguinte versículo:

«E ante eles há o Barzakh (Istmo ou Limbo) até o dia em que forem ressuscitados»
Corão Sagrado (Surat Al- Muminún- C.23, Versículo 100)

Depois, Deus Glorificado dará permissão aos espíritos se conectarem com seus próprios corpos.. e a multidão juntar-se-á para a prestação final de contas, e cada um de nós verá diante de sí seus atos praticados aqui nesta existência terrena, e cada ser humano será recompensado de acordo com suas ações.

Deus Supremo revelou:

«... dizendo(o homem): Quem poderá recompor os ossos, quando eles já tornaram decompostos? Responda-lhes: Recompô-los-á Aquele que os criou na primeira vez, porque Ele é Conhecedor de todas as criações»
Corão Sagrado (Surat Yássin- C.36, Versículo78 e 79)

«... Nós registrávamos tudo o que vós fizestes»
Corão Sagrado (Surat Ajjáthia-C.45, Versículo29)

«Pois os dois recepcionistas o recepcionarão, e ambos sentados, um à direita e outro à esquerda»
Corão Sagrado (Surat Qáf-C.50, Versículo17)

«... e quando as páginas forem publicadas; e quando o céu for poluído; e quando o Inferno for incendiado; e quando o Paraíso for lisonjeiro; cada alma saberá o que tem apresentado»
Corão Sagrado (Surat Attaquir-C.81, Versículo10 até14)

E começa então a vida do homem naquele Mundo Eterno, de acordo com o que tenha feito durante a sua existência terrena.

É merecidamente mencionarmos de que os estudos científicos atuais, confirmam que toda ação ocorrida neste Universo, provocada pelo homem ou por outro ser vivo, tem seu resultado em tempo determinado e permanecerá conservado nesta existência e não se perderá.

Os estudiosos, tencionando confirmar esta teoria e sua realidade, decidiram fotografar um lugar totalmente desértico, com aparelhagem especial, e, ao revelarem o filme, viram na foto um carro (que não estava lá quando filmaram o local).

Na verdade, realmente esteve ali um carro, porém, uma hora antes de fotografarem o local ermo.

E, para surpresa geral, os especialistas conseguiram, através da escala de cores do carro, saber o grau de sua temperatura, ou melhor, saber em qual velocidade esteve o automóvel ao passar por aquele local.

Tais provas científicas, fazem com que as pessoas estimulem mais a mente sobre as realidades que o Corão Sagrado menciona:

«Este é o Nosso Livro, o qual pronuncia para vós com a verdade. Nós registramos tudo o que vós fizestes»
Corão Sagrado (Surat Ajjáthia-C.45, Versículo29)

Portanto, aquilo que o homem pratica e procede, reflete no Mundo da Eternidade... e assim, podemos resumir que a Crença Islâmica é «a convicção em Deus, em Seus Livros e Apóstolos, em Seus anjos, no Dia do Juízo Final e em Suas determinações e poder».

OS DEVERES E OS REGIMES SOCIAIS

AS LEIS ISLÂMICAS E AS INSTITUIÇÕES DO COMPORTAMENTO HUMANO

Não fosse a nossa observação sobre o comportamento diário do homem, suas atividades e posições, ser-nos-ia difícil conseguir limitá-lo e apurá-lo.. pois todo dia ocorre-lhe centenas de acontecimentos em meios de expressão oral e escrita, e por isso, poderá suscitar em sua mente dispersos pensamentos e sentimentos.. Por exemplo, o ser humano pode comer, beber, dormir, casar, roubar, matar, praticar adultério, extorquir, mentir, orar, devotar-se, monopolizar, favorecer o errante e o órfão, rir, chorar, desanimar-se, desesperar-se, augurar , produzir tratamentos, fabricar aparelhos de tortura e destruição.. e, crer em Deus, pensar e descobrir a ciência e o discernimento, etc...

Se tentássemos examinar esta listagem de comportamento humano, verificaríamos uma mistura do bem e do mal, da bondade e da maldade.. entrelaçada nos graus da utilidade e do dano, para o próprio atuante e a sociedade que o apóia e pratica a atividade dele.

Por isso o Islám levou em consideração a coletânia de atividades humanas- de trabalho, ações, expressões, ideologias e sentimentos- alusivas ao próprio homem com interesse total e fê-la objeto de seus dogmas, empenhando-se com seu índice, sua seleção e sua comparação, a fim de se caracterizar cada ato e cada atividade humana, com a característica merecida conveniente- de acordo com a sua natureza e efeito sobre as pessoas- para traçar um caminho diante da criatura humana e colocar em suas mãos uma diretriz para a atividade e a conduta, a fim de ajudá-la caminhar-se em direção de comportamento e protegê-la contra o mal e o crime, e possibilitá-la realizar e utilizar suas energias para a prática do bem e da construção, e preservar esta energia contra o desnecessário, a indiferença, o desperdício, para poder devotar-se à Deus Glorificado e concretizar a realização de seus anelos.. Caso contrário, os empenhos do homem e suas energias positivas que Deus o beneficiou com elas, acabarão se voltando para a destruição e se tornando o foco de sofrimento, da aflição e da agonia para o próprio homem...

E partindo do que ora foi exposto, a Sentença Imposta se divide em cinco partes, incluindo nelas todos os atos nas diferentes atividades humanas, de conformidade com suas realidades, natureza, vestígios negativos e positivos e diversificados relacionamentos.

Eis que relatamos a seguir as cinco partes da Sentença Imposta, de acordo como a dividiram os sábios e cientistas

A SENTENÇA DESCRIÇÃO DO ATO
1-A Permissão ... ... ... ... ... ... ... ... ...O Permitido
2- A Preferência ... ... ... ... ... ... ... ... O Preferencial
3- A Aversão ... ... ... ... ... ... ... ... ...  O Repelido
4- O Sacrilégio... ... ... ... ... ... ... ... ... O Ilícito
5- As Obrigações ... ... ... ... ... ... ... ... O Dever

O Permitido

É todo ato dado ao Responsável, o qual tem o direito absoluto de escolha, sem que se lhe necessite ou se lhe excedesse na ação ou na desistência.

O Responsável, portanto, dentro do círculo do Permitido, possui todo o arbítrio de realizar ou deixar de realizar o ato, bem como, não pedir opinião sobre o que fazer ou deixar de fazer no que se alude às atitudes permitidas.

Os exemplos sobre o Permitido na vida do ser humano não têm fronteiras.. No entanto, podemos exemplificar o seguinte:

O Responsável tem o livre arbítrio na escolha do tipo de atividade que mais lhe convém.. pois ele é livre para pesquisar e raciocinar sobre a ciência da natureza e da vida.. É livre para selecionar os estilos mais convenientes nas administrações empresariais e sociais.. É livre para determinar o tipo de sua alimentação, vestuário, moradia, etc... e utilizar-se daquilo que lhe é proveitoso, de acordo com seu gosto, condições e possibilidades financeiras... Tudo isso, desde que não ultrapasse os limites e exceções que o Islám lhe apresenta.

É esforçoso, porém, mencionarmos aqui, de que o círculo do Permitido é o mais amplo no comportamento humano, como é o que tem mais conexões, porque a raiz de todas as atividades é a Permissão- conforme o parecer da reputação habitual- e tudo que é permitido ao homem, desde que não seja legalmente ilícito.

O PREFERENCIAL

É todo ato que o Islám impele o Responsável para fazê-lo, considerando seu agente o praticante do bem, sendo consequentemente, o merecedor da recompensa e do consentimento divino.. Porém, o Islám não determina alguma penalidade em caso de desistência ou negligência, pelo motivo do bem praticado e utilidade do seu resultado, e por não ocorrerem eventuais danos por causa da recusa ou anulação.

Os exemplos do Preferencial são muitos, e suas particularidades são numerosas na vida individual ou em grupo, tal como, a saudação, a visitação aos parentes e vizinhos, a caridade, o cuidado com a elegância e o zelo com a aparência e a indumentária... Igualmente, a exemplo das devoções, tais como a súplica, a vigília noturna, o jejum nos meses de Rajab e Chaabán, leitura do Corão, etc...

A legalização do Preferencial, vem para confirmar a linha contestadora do Islám, para a elevação espiritual permanente na individualidade humana, a fim de abundanciar o bem na maior medida possível durante a sua existência terrena e na Eternidade.

Os atos preferenciais movimentam-se em um acionamento eficiente para o sucesso destes alvos de devoção e reformas... porque o ato Preferencial se cultiva com a soberania do bem e treinamento para as disputas positivas do homem.. pois ele educa os sentimentos e os desejos próprios na elevação espiritual, ao lado do bem e da perfeição, realizando a excedência sobre os limites próximos às necessidades e à retidão, e desenvolvendo-se de conformidade com o espírito precoce e a voluntariedade para a atividade do bem.

O ato Preferencial se expressa também sobre o ímpeto moral que o Responsável usa na sua sombra, sem se sentir obrigado ou com medo.. pois o seu ímpeto é pelo amor e a vontade do aperfeiçoamento, e elevação espiritual contínua em sua vida.

O REPELIDO

É todo ato que o Islám impele o Responsável abandoná-lo, não pela obrigatoriedade ou decisões, mas por considerar seu agente inclinado ao bem e à conciliação dos interesses, porém, ele não estabelece punição pelo seu ato, porque ele não alcança o limite do perigo e eminente mal ou, a fatalidade, como acontece na pratica do ilícito. Por isso o Islám se deteve em alertar à respeito disso e induzir para o seu abandono, a fim que se possa suportar a ocorrência do dano ou sua degeneração.

E esta legalização movimenta um acionamento operacional na ruptura das linhas conectadas com os atos do ilícito... e é uma estratégia preventiva para fechar as bocas e os túneis que levam à pratica do que é sacrílego e perigoso.

Outra forma de indução para o abandono daquilo que é Repelido- anexado à indução para a pratica do Preferencial (para o auxílio das duas legalizações básicas: as obrigações e o sacrilégio) - para a elevação das condições humanas, e eliminação do mau comportamento junto a ascensão moral e o aperfeiçoamento, para a redenção dos prejuízos e da degeneração na vida e na alma humana... e o Repelido é como os detritos em águas paradas; ou o sono pesado até o Sol alto do dia; ou quando o ardiloso come e bebe algo depois da ablução, gargarejo e inalação (antes da oração); ou aquele que atrai a atenção com estardalhaço, afim de vender a mercadoria, etc...

O ILÍCITO

É todo ato que o Islam incumbe o Responsável em rejeitá-lo, e não permitir que seja praticado, preparando a punição resultante para o seu praticante.. Bem como, o Islam conferiu o elogio e a boa recompensa àquele que rejeita o Ilícito.

A legalização islâmica defende as leis de vedação e privação com bastante empenho quando surge alguma adulteração, na qual o homem se arrasta para ela por causa dos desvios e da falta de informação sobre as coações, os instintos, as pressões e as tendências humanas.

Por isso, estas leis - as leis de vedação e suas sentenças - retratam o devoto extremoso, como defensor do indivíduo ou do grupo contra o anarquismo e a corrupção.. Inclusive, incumbe-o de exterminar as origens do perigo, do crime organizado e da destruição.. acrescidos aos vestígios da escuridão afixada na alma do ser humano, que afasta da proximidade com Deus ele rompe o caminho da elevação espiritual aos horizontes do bem e da perfeição humana.

O Islám advertiu contra a insensatez e omissão destes perigos morais, materiais, espirituais e sociais, e instituiu a punição legal e social na vida do infrator, bem como, organizou a punição divina no mundo da Eternidade, o que seria, a boa recompensa pela preeminência do homem e o castigo pela sua audácia e atrevimento.

O Corão Prudente esclarece as razões do Sacrilégio e da Proibição no Islám , afim de expor que, o objetivo por detrás destas proibições, não se trata de inibir o homem, nem tornar a vida insuportável, nem abominar seus encantos e deleites, deixando o ser humano viver sufocado e envolto com as privações, o embaraço e as atividades negativas de todos os lados... e o Islám é contrário à esta forma de vida, tal como o comprova a sincera leitura corânica:

« Dize: O meu Senhor vedou as obscenidades e tudo que delas se revelou ou se ocultou, e a prática do politeísmo em Deus e pelo que não se enviou através d’Ele autoridade, e não pronunciais algo sobre Deus o que ognorais»
Corão Sagrado(Surat Al-Aaráf - C.7, Versículo 33)

«...os quais seguem o Apóstolo, o Profeta iletrado, que o encontram mencionada com eles na Torá e no Evangelho, e os ordena com obséquio e os adverte contra o ilícito e lhes libera as satisfações e lhes veda as malícias e os alivia de seus fardos e dos grilhões que os deprimiam e aqueles que crerão nele e o dignificaram e triunfaram e seguiram a luz que se revelou com ele, estes são os bem aventurados»
Corão Sagrado(Surat Al-Aaráf - C.7, Versículo 157)

E os exemplos sobre o Ilícito são muitos, tal como o assassinato, a imposição injusta, a propina (aceitação de gorjeta), a bebida alcoólica, a apropriação dos bem alheios, a difusão dos livros e pensamentos nocivos desencaminhadores e adulteradores, etc...

5-O DEVER

É todo ato que o Islám incumbiu o Responsável para fazê-lo pela decisão, e não lhe permitir abandoná-lo, organizando a boa recompensa pela sua prática e a punição pela sua negligência.. tal como a oração, o jejum, o donativo “A zacát”, o tributo “Al-Khamos”, a militância “Al-Jihád”, o governo com justiça, a obediência e o respeito aos genitores, a ordem para o obséquio com o semelhante, a advertência contra o detestável, a resistência contra a injustiça e a tirania, o amor ao Profeta Mohammad e aos seus - provenientes de “Ahel Al-Bait”, a franqueza e a sinceridade, a obediência às Leis e Constituições do justíssimo Estado Islâmico, etc...

Estes são os Deveres e incumbências, e seus exemplos são unicamente legalizados em prol do benefício do homem e conservação dos regulamentos da vida e abundância do bem estar da humanidade, nesta existência e na Eternidade.

E se tentássemos estudar a jurisprudência das Obrigações e suas leis com minúcia, e examinarmos seus vestígios e resultados ativos na vida, nós encontraríamos processando um acionamento efetivo nas decisões balanceadas da vida e preservação das leis da natureza humana e constituição do relacionamento entre o homem e seu Criador de um lado, e entre o homem e a sociedade de outro lado; porque a filosofia do Dever no Islam, se constrói sobre a base do ato do Dever no nivelamento do ato humanitário em uma extremidade, e, do direito e da recompensa comparados com a outra extremidade.. em se aprofundando nos sentimentos pela responsabilidade, e na sensação pelo relacionamento entre o direito e o Dever, sufocando o círculo do egoísmo, e preservando a educação da consciência, que o homem entende por justiça e igualdade, pois o ser humano compreende através destas leis e jurisprudências, de que cada um que se encontra à sombra deste assunto, tem o direito à vida e que lhe compete uma obrigação, cuja comparação é entre a vida social e o relacionamento de devoção a Deus Glorificado, que só se equilibra com a justificação daqueles direitos, e concretização destes Deveres.

Se pesquisarmos sobre os segredos dos Deveres e da Responsabilidade na legislação islâmica, notaríamos que ele retorna à convicção no Islám, pelo fato do homem, através de sua prática nestes atos, acrescenta à corrente do bem uma nova argola que se liga nela e aumenta-lhe o círculo de sua influência, e então, ocorre uma existência melhor, ou seja, uma existência boa e útil, o qual passa a se comportar como um alongamento às disputas do bem, escondidas no âmago psicológico (subconsciente) dele, até transformá-las em um fruto vital, produzido pelas próprias boas ações, conectadas com as situações e as coisas que resultam e dão bons e úteis resultados. E esta corrente do bem, serve para ser uma medida para a avaliação do homem, e um equilíbrio para si mesmo e para suas próprias intenções, a fim de ser uma base às boas recompensas e distinções.

Isso, é porque há para essas expressões, regulamentos e normas que deverão ser seguidas de acordo com o que se necessita em regras e critérios relacionados com as sentenças criadas de forma geral.

Bem como, se o Governo venha a se modificar por motivos de medida ou projeto emergente, é porque o novo Governo tem o que o anterior possui em importância, como também, se torna uma missão legal a ser utilizada pelo Responsável, e dela se utilizaria ou a escolheria de acordo com a emissão da mensagem.

Por exemplo: se o jejum é um Dever para o Responsável que está apto em suas condições, então o enfermo estaria isento deste Dever, tornando-se-lhe este jejum uma vedação legal diante das obrigações e decisões.. e o jejum do Responsável enfermo passará a lhe ser proibido e se elaborará para ele as demais sentenças.

AS PRINCIPAIS ILICITUDES NO ISLAM

Se tencionarmos expor as ilicitudes no Islám, e as estudássemos em estudos minuciosos e completos, verificaríamos que os motivos de sua legalização são para a defesa do homem contra o comportamento adulterador e destruidor, e preservação de sua existência contra os perigos e os danos.

Logo, verificamos de que a vedação no Islam reúne as defesas do pensamento, da alma e do corpo no círculo da particularidade individual; como também, reúne a defesa da estrutura, do relacionamento humano e da vida social no círculo da sociedade em geral , contra o perigo da ruína, da corrupção e da decadência.

Por exemplo, no campo do raciocínio, o Islam proíbe a apostasia, o perjúrio (falso juramento) e a má interpretação sobre Deus e Sua descrição com o inconveniente, tal como a injustiça, a semelhança, a Sua encarnação.. pois Ele Glorificado é acima de tudo isso!

Como também, o Islam vedou a superstição prestidigitação, a glorificação do pensamento, a imitação cega (indevida), e tudo que tenciona subjugar a energia do raciocínio ou travar a sua atividade científica e sua pratica.. tudo isso, para a preservação de uma mente sadia e realização de uma interpretação efetiva sobre a existência e a vida.. e para a suficiência de um entendimento puro na Unicidade de Deus e o relacionamento humano com Ele, porque esta ligação mental é a fonte do bom comportamento e da conduta humana.. que é o mecanismo de seus hábitos e costumes.

No campo psicológico do ser humano, o Islam proibiu toda e qualquer degradação íntima do homem e destruição de sua consciência e existência moral, transformando assim a sua vida de sofrimento e infelicidade, e sua conduta para um comportamento animal, que é abstrato nas particularidades humanas e evoluídas. O Islam, pois, aboliu o rancor, o ódio, o desânimo, a desconfiança , a falta de devoção e a hipocrisia, etc... a fim de elevar a alma humana para um nível pleno de pureza e perfeição, e depurá-la das imperfeições e partículas nocivas, e das dificuldades existenciais, perigosas ao homem e sua conduta.

Inclusive, o Islam veta todas as motivações e práticas que concorrem o raciocínio e degradam a alma humana, como proíbe todas as atividades, práticas e atos que prejudicam a saúde do ser humano, enfraquecendo-o.. Assim como, veda a embriagues, o adultério, a carne do cão e do porco, e demais animais e aves de rapina, nocivos ao homem, inclusive a carne de animais mortos por asfixia ou causa natural ou desconhecida.. proíbe também a ingestão de sangue, inclusive o sangue dos animais batidos, mesmo ao ritual islâmico, etc...(1) Tudo isso, é pela preservação da saúde do homem contra eventuais doenças que se adquirem por vírus contaminosos.

O Islám de preocupa e se importa muito pela fortificação da vida individual do ser humano e sua existência em particular, contra as Ilicitudes... Igualmente, ele se empenha na proteção da sociedade contra o crime e as práticas nocivas que ocorrem no campo das assembléias da política, da economia, da teoria, do ensino, etc...

O Islám proibe a injustiça, a usura, o monopólio, o logro, o roubo, o estelionato, a mentira, o descaso, o desprezo, o falso testemunho, a gorjeta, o jogo de azar, o ensino e indução ao conhecimento degradante e destrutivo, tal como livros e filme pornográficos e de violência, etc...

E desta forma, o Islám garante a proteção à sociedade e individualmente através das privações e proibições.

Os eruditos e sábios especificaram e detalharam com minúcia as inúmeras proibições e ilicitudes, ou meditarmos sobre suas soluções através da luz da prática social e das buscas científicas e sapientes, veremos a extensão de seus perigos e prejuízos sobre a vida individual e estabilidade social... e então, verificaríamos o quanto nos é proveitosa a prudência do Islám e quanto nos é valiosa a sua proteção aos interesses da humanidade!

É essencial apresentarmos a seguir, as mais importantes ilicitudes que o Islám advertem contra elas, admoesta e nos aconselha como evitá-las expondo-nos as estruturas da vida e a estabilidade da sociedade:

1. O politeísmo em Deus.
2. O desanimo pela misericórdia de Deus.
3. O descaso sobre as punições de Deus.
4. A desobediência aos pais.
5. O suicídio e o assassinato.
6. A acusação falsa da mulher casada com a traição.
7. A apropriação indevida dos bens do órfão.
8. A deserção dos campos de batalha na Guerra Santa, ou seja, “Al-Jihád”.
9.A prática da usura(tanto no praticante quando do utilitário).
10. O adultério.
11. A sodomia (homossexualismo em geral).
12. A magia.
13. O perjúrio.
14. O falso testemunho.
15. Omissão ao testemunho.
16. A bebida alcoólica.
17. Revogação da promessa ou do acordo.
18. Ligadura das trompas (Operação cirúrgica destinada a esterilizar a mulher).
19. Emigração do convívio islâmico para as terras onde não se permite ao muçulmano cultuar a sua religião.
20. O roubo.
21. A calúnia (A mentira sobre Deus e Seu Apóstolo, e sobre os Imanes e as pessoas em geral).
22. A alimentação da carne dos animais mortos (por causa natural ou desconhecida).
23. Ingestão de sangue (seja de humanos ou de animais).
24. Ingestão da carne de porco.
25. Ingestão da carne de animais ou aves não abatidos ao ritual islâmico.
26. Ganhos ilícitos através da venda de bebida alcoólica, à custa de prostitutas ou dançarinas (gigolôs) ou propinas e numerários adquiridos de um Governo corrupto, injusto e opressor, passando como cúmplice na execução de sua política perniciosa.
27. Roubo na balança e medidas.
28. Cumplicidade com os opressores.
29. O orgulho e a arrogância.
30. A extravagância.
31. O esbanjamento.
32. Perseguição ao devoto e imprecação( amaldiçoar) contra o Islám.
33. O trabalho nas casas de prostituição e diversão libertina, onde há a dança sensual e a música sedutora.
34. O descaso.
35. A falsidade.
36. Injuriar e ofender o devoto, insultando-o e humilhando-o.
37. A difamação.
38. A intermediação perniciosa (é quando alguém intermédia duas pessoas para a prática do adultério ou da sodomia).
39. O logro.
40. A hipocrisia e o farisaísmo.
41. O cinismo e a impostura.
42. E das demais ilicitudes, há o desprezo pelo homem por causa de suas culpas e o desinteresse pelo que ele produz ou faz em benefício do convívio, etc...

Enfim, existem muitas outras ilicitudes associadas às que foram mencionadas e a tudo que degrada e corrompe o homem e prejudica a estrutura da vida... as quais não nos é possível citá-las por falta de espaço suficiente.

E se meditarmos nestas ilicitudes, perceberíamos de que elas são a epidemia e o perigo eminente que ameaça a vida individual do homem e da sociedade que o rodeia, e que não está ao alcance da humanidade poder proteger-se e conservar a sua existência, exceto se ela se afastar destas ilicitudes e se proibir de sua prática.

E aquele que chega a meditar nesta relação de ilicitudes, e tentar descobrir a sabedoria islâmica, oculta atrás destas privações, ele compreenderia a grandeza da Legislação Islâmica e sua capacidade na construção do indivíduo e da poderoso sociedade civilizada, alusiva à esta proteção e preservação legal e do caráter legítimo.

Os estudos e pesquisas médicas, científicas, sociais e psicológicas, já chegaram à etapa final das descobertas pelas observações orgânicas, anatômicas, psicológicas e vida social, onde suas anomalias e irregularidades são causadas justamente por estas ilicitudes que acabamos de mencionar, as quais passaram a ser as instituições das estatísticas e dos estudos especiais, que nos oferecem, aliás, um número obscuro sobre os crimes, doenças, situações, posições e aparências irregulares nas sociedades humanas, as quais confundem pelo que é certo do errado... pelo que é lícito do ilícito à necessidade de realizações salutares e benéficas em prol da proteção e defesa da humanidade, com o fito de arrancá-la do caos, das dificuldades e dos acidentes ocorridos e provocados pela prática destas ilicitudes, que se tornaram uma ameaça à existência do homem e sua segurança, a qual, depois de se desprender da importância da fé e de se entregar aos instintos bestiais, passou a ser irresoluto... procurando o retorno ao caminho de Deus e Sua lei remitente, e se agarrar à jurisprudência divina, a qual Deus criou por causa de Seu amor pelo ser humano e Sua misericórdia para com ele, oferecendo-lhe a Sua generosidade e Seu bálsamo à esperança que há nos peitos e nos corações.

A Purificação

Deus Supremo revelou:

« Deus não deseja impor sobre vós alguma isolação, porém, Ele deseja purificar-vos e concluir sobre vós a Sua benção, para que Lhes sejai gratos»

Corão Sagrado (Surat Al-Má-eda - C.5, Versículo 6)

E revelou mais:

«... Deus ama os que se arrependem e ama os que estão purificados»

Corão Sagrado (Surat Al-Bqara - C.2, Versículo 22)

Conta-se que o Apóstolo de Deus disse certa vez:

_ “ A infelicidade do servo é a imundice”(1)

O Islam legalizou a purificação e a higiene, e induziu a ambos, para combater as doenças e as pestilências a fim de conservar a saúde perfeita em todos os espaços da vida humana, e do asseio pessoal, desde que se concretize a purificação, principalmente às práticas religiosas, tais como o jejum, o percursor ao redor da Caaba e ao tocar o Corão Sagrado.

O Islam obriga os muçulmanos á purificação e à higiene contra toda imundície.. como a urina, o sangue, os cadáveres, os excrementos, etc... em todas as ocasiões e para os cultos e preservação da saúde e sua condição salutar , bem como, os cuidados com a beleza da vida e fineza do gosto.

O asseio e a higiene são uma das aparências da civilização islâmica, a qual mostra a elevação e integridade do Islám, que se importa com o homem em sí.

O Islam pretende também a purificação da alma, da consciência e da existência, já que ele exige a higiene do corpo e sua condição salutar, e tudo que o rodeia... e com tudo isso, demonstra a intensidade da fé através da purificação, da higiene, da boa aparência, tanto pessoal quanto no lar, na sociedade e no campo do trabalho.

A purificação se compreende no seguinte:

1. A lavagem das impurezas do nariz, interna e externamente(1), da menstruação, da parturiente e similares, do toque no cadáver(2), e este asseio é obrigatório para o ritual da oração, do jejum, da entrada numa mesquita, no toque do Corão e pronunciamento do nome de Deus (Alláh) ou de seus atributos, do percurso ao redor da Caaba de acordo com especificações detalhadas nos livros da Jurisprudência e das leis.
2. A lavagem voluntária, tal como a purificação de sexta-feira ou na noite de festa (Lailat El-Íd) e similares.
3. Deveres a ablução para a oração, para o percurso ao redor da Caaba, para pegar o Corão Sagrado nas mãos e recitar seus Versículos... enfim, a existência pela purificação.
4. Se existir justificativa por falta de água, pa4ra a lavagem ou ablução a fim de praticar os cultos, então esta justificativa é aceita, desde que se faça a ablução através de fricção das mãos e da face com areia ou terra seca.
5. É obrigatório se imunizar de toda e qualquer imundície, tanto do corpo quanto da indumentária, tal como dos cadáveres, da sangue, da urina, das fezes, da bebida alcoólica, etc... lavando-se com água para a prática dos cultos que presidem da purificação.
6. O empenho no asseio do corpo, da roupa em geral, da casa e de tudo que nos pertence e rodeia, é diligente.
7. O Islám inclusive, induz para o afastamento das doenças contagiosas e dos contaminados com ela.. Tudo isso, para proteger a saúde do homem e preservar-lhe uma aparência boa e saudável.

Cultos e Rituais

Conta-se que o Apóstolo de Deus Muhammad falou:

_ “ O Islám se construiu sobre cinco Pilares: O testemunho de que não há divindade além de Deus e que Mohammad é o Apóstolo de Deus- a oração- A prática da caridade- o jejum de Ramadán- a peregrinação à Casa (CAABA) quando se é possível”

E depois de tomarmos conhecimento de que os alicerces e as regras sobre os quais construiu-se o Islám são a fé em Deus, em Seus anjos, em Seus Livros- a Torá, o Evangelho e o Corão- em Seus enviados e no Dia do Juízo Final.. e que Ele é o Criador, o Beneficente e o Agraciante de Seus devotos, é justo então, que é de direito absoluto de Deus que o homem Lhe seja grato e render- Lhe homenagem, elogiando- O e adorando- O, e se ligar e sujeitar-se somente a Ele.. poi a devoção é a expressão real sobre o relacionamento entre Deus e a criatura humana.. isto porque, o ser humano é frágil diante de seu Criador e Lhe é um servo neste mundo e no mundo da Eternidade:

«Nós somos de Deus e a Ele retornaremos»

Corão Sagrado (Surat Al-Baqara- C.2, Versículo156)

E através da prática do culto, o homem expressa sua escolha nesta devoção e relação entre ele e seu Criador... e o ser humano é parte do Universo submisso ao seu Criador, seja pela entrega, seja pela formação, porque ele está acorrentado numa ligação forçosa, pois ele não pode sobreviver, nem coexistir e nem cumprir com seu “dia a dia” sem os ditames da natureza... Contudo, dentre todas as criaturas, Deus favoreceu o homem com o raciocínio, a vontade própria e a opção... e Deus Glorificado criou o ser humano e legou-lhe uma estrutura e um método claro (a religião) para que possa organizar a sua vida e seu comportamento individual e social... inclusive a instituição de seu relacionamento com seu Criador.. tal como faz o engenheiro quando elabora um esquema especial e orientações próprias para o bom andamento do trabalho e do projeto, para não caírem por terra seus planos, estudos e pesquisas.. E assim é com o Criador do homem a da vida em sí, Ele é Sapientíssimo sobre o que mais convém aio ser humano a fim de realizar-lhe o que é bom e útil:

«Acaso Ele não sabe quem criou? e Ele é Benigno, o conhecedor»
Corão Sagrado (Surat Al-Molk- C.67, Versículo 14)

Por isso, foram constituídos os cultos, as Leis e as instituições divinas, no que apresentaremos uma idéia geral sobre os cultos Islâmicos, conforme segue:

A ORAÇÃO

A oração é um dos mais importantes pilares do Islám, cujo grandioso prestígio Deus determinou a oração para todo Responsável, cinco vezes ao dia, com 17(dezessete) genuflexões, que são para:

A oração da manhã: duas genuflexões (Assobh)
a oração do meio-dia: quatro genuflexões (Azzohr)
a oração da tarde: quatro genuflexões (Al-Açr)
a oração do crepúsculo: três genuflexões (Al-Maghreb)
a oração do anoitecer: quatro genuflexões (Al-Achá)

Assim foram constituídas as orações voluntárias, como a oração noturna, a vigília da madrugada, do meio-dia, da tarde, do crepúsculo e do anoitecer.

Outras orações devidas, que são a oração de sexta-feira, a oração das duas festas, a oração dos versículos corânicos, a oração aos mortos, a oração do percurso ao redor da CAABA durante a peregrinação.

A oração enfim, expressa os pilares da religião e a forma mais destacada da fé e da devoção a Deus Glorificado.

Deus Supremo revelou:

«... observai então a oração, porque a oração foi prescrita aos crentes em tempo determinado»

Corão Sagrado ( Surat Annissá- C.4, Versículo 103)

E Deus Altíssimo revelou mais ainda:

«... não há divindade além de Mim! Adora-Me e observa a oração para que Eu seja mencionado»

Corão Sagrado ( Surat Taha - C.20, Versículo 14)

Ele Glorioso, revelou também:

«Os crentes triunfaram a religião e eles são humildes em suas orações»
Corão Sagrado ( Surat Al-Muminún- C.23, Versículo 1e2)

A oração inclusive por ser uma prática de consagração, faz com que o homem se prender ao seu Criador, o que aliás, tem seu fator psicológico, educativo e progressivo, só pelo fato de se dirigir a Deus Glorificado através do permanente arrependimento e súplicas para o bem próprio e dos crentes, sempre com muita fé e com o corpo e a indumentária limpos e purificados. E, no que tange a reuniões e presenças nas Mesquitas, onde acontece maior aproximação entre os grupos e formação de relacionamento sociais, exalta-se o amor e a paz entre os devotos. A essência da oração se baseia pela submissão a Deus somente, através das genuflexões, adorações e ligação permanente com Sua Magnificência e com o Dia de Prestação de Contas. Com isso, motiva a alma com a humildade e igualdade, purificando-a das seduções, do orgulho e da inimizade... E o Corão Sagrado esclarece o ideal das preces e orações coletivas e sociais, assegurando-o com o seguinte:

«... a oração adverte contra a obscenidade e o que é abominável»
Corão Sagrado ( Surat Al- Ancabút- C.29, Versículo 45)

Com isso, o nobre Apóstolo igualou a oração com o rio que limpa e purifica o homem da sujeira e da imundície, dizendo:

_”Feliz dentre vós aquele que possui na entrada de sua casa uma Hammat onde ele pode se lavar nela por cinco vezes diariamente, não deixando sobre si um resto de sujeira sequer!”

Os presentes então indagaram:

_” Sim? E qual é o significado?”

E ele lhes respondeu:

_”Significa as cinco orações do dia”

O Islám valoriza a oração à medida do que se deixou em rastros benéficos e complementares na consciência e no comportamento do homem.

Conta-se que o Islám “Açádeq” disse certa vez:

_ Não teria validade a oração que não impõe ao devoto a prática do obséquio”

O JEJUM

“Açaum”, ou seja, o jejum, é uma das obrigações do culto que deus Glorificado determinou sobre o Responsável, conforme a Sua revelação:

«Ó crente, o jejum foi vos prescrito, assim como fora prescrito aos que vos antecederam...»
Corão Sagrado ( Surat Al-Baqara - C.2, Versículo 183)

E também:

«... e aquele dentre vós que presenciou a Lua Nova deste mês(Ramadán), deverá jejuar, e aquele que se encontrar enfermo ou em viagem, jejuará depois mo mesmo número de dias...»
Corão Sagrado ( Surat Al-Baqara - C.2, Versículo 185)

O jejum é uma expressão de privar-se de comer, beber e outras adicionais, durante um mês completo, uma vez por ano, desde a madrugada até o crepúsculo, com a intenção de se aproximar de Deus Supremo.

O jejum tem seu papel importantíssimo na educação e no auto controle.. no comportamento e na força de vontade, para a preservação da saúde moral e física, afastando-se assim, do mal, da luxúria e da concupiscência, natos de ser humano.. e em contraste, cultivar o bem e a caridade, e sentir a dor da fome, a fim de usar de empate para com aqueles que a sentem por causa da pobreza e por falta de recursos, bem como, para sentir a igualdade com os outros jejuadores que compartilham no jejum coletivo naquele mês abençoado de (Ramadán)

O Apóstolo de Deus dava uma particular atenção e importância a este grandioso mês, inclusive uma preservação e precauções especiais.. e, conta-se que ele dizia:

_”Quando entrar o mês de Ramadán, deve-se libertar todocativo e praticar a caridade para com aquele que pede ajuda”

E ele falava:

_ “Aquele que praticou a caridade e o bem neste mês com seu semelhante, tem as devidas boas recompensas na vereda no Dia do Juízo Final”

E novamente, o Profeta Mohammad falou:

_” De que serve o jejum ao jejuador, se ele não se precaver contra a sua língua, o seu ouvido e a sua visão com todas as suas forças?!

A PEREGRINAÇÃO

“Al-Hadj”, ou seja, a peregrinação é conforme Deus Supremo revelou:

«É dever para com Deus dos seres humanos que estão em condições de apreendê-la, a peregrinação à Casa (CAABA); e aquele que abjurar, saiba que Deus pode se desfazer de todas as criaturas»
Corão Sagrado ( Surat Ale Imrán - C.3, Versículo 97)

A peregrinação a expressão de um dos rituais e conceitos religiosos e é um conjunto de aplicações e ditames.. organizados para determinada época e local, a fim de incorporar o significado de seu culto e prática educativa no que diz respeito à construção da personalidade do ser muçulmano, o qual passará a agir de acordo com a sua disposição e estruturação na vida, bem como, quitar a sua importância e destiná-la a Deus.

Portanto, esta prática religiosa é como as demais práticas islâmicas, a qual possui seu valor educativo, social e político.. pois ela é um Congresso Mundial Islâmico, onde reúnem-se os muçulmanos para a adoração, a remissão, o arrependimento, a celebração de Deus, a purificação da alma dos pecados e da desobediência.. e a realização de novos relacionamentos e conselhos, através da troca de opiniões e diálogos reflexíveis e ideológicos, a unificação dom sistema político para a nação islâmica.

O Corão Sagrado esclarece o que há em benefícios e alvos humanos na prática da peregrinação, inclusive dos objetivos ritualísticos, quando a ordem de deus Glorificado foi dada à Abraão fundador da CAABA:

« E proclame às pessoas com a peregrinação; virão a ti homens montados sobre magras montarias, vindos de vales profundos a fim de auferirem benefícios para eles próprios celebrarem o nome de Deus em dias ativos pelo que Ele os agraciou em reses (sacrifício e abate). Comei pois delas, e alimentai o pobre indigente»
Corão Sagrado ( Surat Al-Hadj - C.22, Versículo 27e28)

Assim sendo, todos os rituais islâmicos dão importância para o lado social e oferecem resultados educativos e aplicáveis em prol do benefício individual e de grupos, inclusive, para a realização dos cultos e devoções, que são do direito de Deus, impostos sobre o homem.

O DONATIVO

“Azzacát”, ou seja, o donativo é também imposto por Deus conforme Sua revelação:

«E observai a oração e cumprem com o donativo e obedecei o Apóstolo, para que sejais compadecidos (por Deus)»
Corão Sagrado ( Surat Annúr - C.24 Versículo 56)

E Deus revelou também:

«Receba de seus bens uma caridade que os purifique e os confirme por ela, e roga por eles, porque a tua oração será um consolo para eles e Deus é Oniouvinte Sapientíssimo»
Corão Sagrado ( Surat Attáubah - C.9, Versículo 103)

Assim sendo, dos rituais islâmicos tem-se “Az-Zacát”, isto é, o donativo... e este donativo é uma espécie de devoção monetária, ou seja, um tributo monetário, imposto aos ricos em favor dos pobres e benefício geral, a fim de diligenciar o problema da pobreza e diferenças sociais econômicas, e dispor de melhorias e interesses.. pois “Azzacát” tem influência sobre questão psicológica, seja individual ou socialmente, porque ela afasta a inveja e a aversão entre os ricos e os pobres, e apaga as divergências naturais, confirmando a igualdade social entre os homens.. particularmente o efeito educativo acontece no íntimo da pessoa que pratica o donativo ”Azzacát”, pois isto combate a voracidade, o egoísmo e o amo excessivo ao dinheiro, e incentiva a humildade e a devoção.. Por isso o Islam considera este donativo-tributo como uma purificação da alma e depuração da consciência.. e principalmente, correção da moral, chamando-o de “Azzacát” ou seja, Purificação e Crescimento».

O TRIBUTO

“Al-Khamos”, ou seja, o tributo foi mencionado nas revelações de Deus Supremo:

«E sabei que, de tudo quanto despojardes, a quinta parte pertence a Deus, ao Apóstolo e seus parentes...»
Corão Sagrado ( Surat Al-Anfál - C.8, Versículo 41)

E dos tributos financeiros que o Islám impõe sobre os muçulmanos, há um tributo chamado “Al Khamos”, ou seja, o Islám determina uma taxa independente da “Azzacát”, no valor de 20% do seguinte:

1- Dos espólios de guerra.
2- Do lucro anual.
3- Dos metais (ouro, prata e pedras preciosas)
4- Daquilo que se adquire em mergulhos (pérolas, esponjas, etc...)
5- Do preço do terreno que o protegido compra de um muçulmano( O protegido paga a 5ª parte do valor do terreno).
6-Do dinheiro lícito que se misturou com o que veio do ilícito e não há como defini-lo e saber o seu valor, então retira-se do total a 5ª parte e a distribui de acordo com o deferimento de uma autoridade legal.
7- De tesouros encontrados.

Enfim, O Islán determina o tributo financeiro equivalente a 20% do, mencionado acima, e que, as autoridades legais se comprometem em distribuí-lo para a melhoria das condições gerais e evolução da sociedade, tomando as medidas econômicas necessárias, incluindo o “Azzacát” e outros tributos e taxas.

CULTOS VOLUNTÁRIOS

Tal como a súplica, a remissão, a celebração e a glorificação de Deus, a leitura do Corão.. ou a promessa a Deus, cujo Prestígio Magnificente.. todas elas são devoções que ligam o homem ao seu criador e fazem crescer em seu íntimo a adoração de Deus somente, livrando-o da servidão pelas praticas concupiscentes e dos objetivos dos tiranos, e fazendo com que alimente o seu espírito com o bom comportamento e a bondade, e aproximando-o à perfeição humana.. e com isso ele passa a apagar de sua índole o rancor, o egoísmo, a sedução, o orgulho e o mal caráter.. pois isto é o que mais convém ao espírito humano, para que ele possa se aproximar cada vez mais de seu Criador.

A ORDEM PELO OBSÉQUIO E A ADVERTÊNCIA CONTRA O ABOMINÁVEL

Deus Supremo revelou:

«E que surja de vós uma nação que evoque para o bem, ordene pelo obséquio e advirta contra o abominável. Aqueles serão bem aventurados»
Corão Sagrado ( Surat Ale Imrán - C.3, Versículo 104)

A invocação, para o bem e a melhoria da sociedade, é uma grandiosas responsabilidade social, confirmada pelo Islam, o qual encarrega seus seguidores de depurarem o círculo islâmico contra a corrupção e a adulteração, divulgando o bem e a virtude, e convocando as pessoas para a fé e a crença no Islám e sua prática.

E a ordem pelo obséquio e a advertência contra o abominável e detestável, são duas das mais nobres obrigações no Islám, as quais apresentam um papel importantíssimo na sociedade islâmica, e expressam o desenvolvimento espiritual da responsabilidade, os interesses pelos assuntos e problemas dos outros e o desejo sincero pelo bem estar deles (usar a indulgência).. e finalmente, a saída do redemoinho do egoísmo.

Por isso, o Imám Jaafar “Açadéq” disse:

_” Aquele que não se importa co0m os problemas dos muçulmanos, não é portanto muçulmano”

O cumprimento individual das obrigações alusivas à Ordem pelo Obséquio e a Advertência contra o Abominável, é para a restauração e melhoria da vida social, porém, se houver dificuldade ou incapacidade para tal, por causa do individualismo disperso, deverão então se agrupar e formarem um grupo cooperativo e firme, a fim de poderem contar compor meios e estilos mais modernos para a convocação e recuperação social.

h- A MILITÂNCIA

“Al-Jihád”, ou seja, a militância, é o combate na Guerra Santa.. e Deus Supremo revelou:

«Agrupem-se leve ou fortemente(armados) e combatei com os vossos bens e si próprios pela causa de Deus»
Corão Sagrado (Surat Attáubah-C.9, Versículo41)

«Convoque a causa de teu Senhor com a prudência e a boa pregação, e debata com eles na melhor forma possível... »
Corão Sagrado (Surat Annahl-C.16, Versículo125)

O Islam é a mensagem do raciocínio, do conhecimento e da lógica, e conta com o diálogo e a operação intelectual e existencial a fim de levar seus pensamentos e ideologias às pessoas... Aliás, o Corão inteiro é testemunha disso...

No entanto, quando os tiranos procedem com arbitrariedade, e os oportunistas se apoderam do poder, e os inimigos se colocam contra os mais fracos, interpondo-se entre o homem e a razão, o Islam não terá outra alternativa senão a de usar de violência(pelo Jihád) para destruir as muralhas da injustiça, da prostituição, da corrupção e da inimizade, em defesa dos mais fracos e oprimidos no mundo.

O Corão Sagrado esclarece uma verdade, conforme a revelação de Deus:

«Temos pois enviado Nossos Apóstolos com as evidências e revelamos através deles o Livro e o equilíbrio, para que os homens possam agir com justiça, e criamos o ferro cuja importância poderosa e benefícios para a humanidade...»
Corão Sagrado (Surat Al-Hadid-C.57, Versículo25)

Logo, o Corão assegura de que os Profetas falavam aos povos por meio da Mensagem Divina, dos princípios morais e dos procedimentos corretos, convocando-os à prudência pela boa pregação, porém, quando estes povos recusavam tudo isso, eles só tinham diante de si o uso do ferro, ou seja, o uso das armas, a fim de combaterem as forças do mal, do crime e da perdição.

A biografia do Apóstolo Mohammad confirma tudo isso, quando durante treze longos anos em Meca, ele convocava as pessoas à prudência e à sabedoria através da boa pregação, a nobreza mequense passou a perseguir, torturar e matar os que apoiavam, e aqueles que conseguiam escapar, viam-se obrigados a sair de seus lares, depois de terem sido prejudicados e humilhados.. e o Profeta inicialmente, suportou calado e pacientemente sem usar de violência, mesmo depois de ter emigrado para Yathreb(hoje Al-Medina Al- Munawwara), porém, ao ver que nada demovia as autoridades de Meca, os donos dos centros comerciais, os influentes e os importunistas, os quais continuavam perseguindo e oprimindo os muçulmanos, e, diante disso, ele se viu obrigado de usar a força.. pois Deus Supremo ordenou-lhe através de um Versículo ir à luta, permitindo-lhe o “Jihád” a fim de combater os inimigos do bem e da fé:

«Permitiu-se aos que combatem de que eles oprimidos e que Deus é Poderosíssimo para triunfá-los»
Corão Sagrado (Surat Al-Hadj-C.22, Versículo39)

«Aqueles que foram expulsos injustamente de seus lares, só por dizerem” O nosso Senhor é Deus!”...»
Corão Sagrado (Surat Al-Hadj-C.22, Versículo40)

O Apóstolo de Deus recomendou ao Imám Ali Ben Abi Táleb, quando o enviou ao lêmen:

_“ Ó Ali, não combatei ninguém antes de convocá-lo, e caso Deus iluminar um só homem, é melhor para ti do que tudo que assiste o nascer e o pôr do Sol!”

O RACIONALISMO E O RESPEITO AO RACIOCÍNIO

A mensagem Islâmica se distingue por ser uma transmissão da razão e da lógica sadia.. pois ela é uma mensagem da concordância com a sua lógica, harmonizando-a com a necessidade, a indicação e o argumento sério.. Por isso, o diálogo do Corão é contínuo e aberto com o raciocínio.. e sua convocação esta conectada ao estímulo do homem a fim que ele possa usar de suas faculdades mentais para a reflexão e a meditação.

Deus Altíssimo revelou:

« E tais parábolas, citamo-las aos humanos, porém, somente as compreenderão os sábios»
Corão Sagrado (Surat Al-Ancabút-C.29, Versículo43)

E Ele Glorificado revelou mais sobre este tema:

«.. e com ela (a água) faz germinar para vós as plantações, as oliveiras, as palmeiras, as videiras e todos os frutos, pois nisto há um sinal àqueles que refletem. E proporcionou-vos a noite e o dia; o Sol, a Lua e as estrelas; todos submetidos às Suas ordens, pois nisto ha sinais para aqueles que raciocinam »
Corão Sagrado (Surat Annahl - C.16 Versículo11 e 12)

« Pois pior do que as bestas aos olhos de Deus, são os “surdos-mudos”, os quais não raciocinam »
Corão Sagrado (Surat Al-Anfál-C.08, Versículo22)

O Islam liberou o raciocínio e liberou-o da inércia, da estagnação e da superstição, e construiu o melhor civilidade e civilização racionalmente necessárias à valorização da fé e da índole.