O Islam e a Finalidade da Vida

Elaborado por

Abu Umar Abdus-Salam

Qual é a razão da minha vida? Qual é a razão da tua vida? Qual é a razão da nossa existência?

Um individuo dotado de razão/ raciocínio coloca-se necessariamente essas perguntas.  Cada um tenta respondê-las de formas diferentes. Alguns pensam que a riqueza constituí a finalidade da vida e uma vez atingido, já não têm nenhum outro objetivo por prosseguir. Eles conseguiram de acumular milhões, e o que é que acontece depois disto! Se a finalidade da vida é de torna-se rico, uma vez alvejado este objetivo, qual é a finalidade da vida então? 

Este problema coloca-se vezes sem contas com os não muçulmanos. Há uma dada altura da sua vida eles envidam esforços para alcançar esta finalidade, uma vez este objetivo é atingido, o vazio psicológico se torna enorme e dá lugar a todas as formas de desvios da personalidade.

A riqueza pode ser tido como uma finalidade da vida?

Escutamos inúmeras vezes que um tal milionário suicidou-se ou a sua esposa  ou um dos seus filhos ou ainda eles se depararam com problemas de personalidade desviada. A questão que se coloca é: Pode a riqueza trazer a tão alvejada felicidade a um indivíduo? Na maior parte dos casos a resposta será não.

É a procura da riqueza uma finalidade universal da vida? Uma criança de 4 ou 5 anos de idade não está interessada em dinheiro, pelo contrário ela prefere um brinquedo. Um adolescente de 16 ou 17 anos de idade, também não procura tornar-se milionário. Um velho idoso apreende-se tão somente com a sua saúde. Isto prova que a avidez pela riqueza não é universal. A riqueza pode contribuir um pouco ao dar um sentimento de felicidade a um não-muçulmano na medida em que ele não sabe qual é a verdadeira essência, a verdadeira razão desta vida. Se ele tiver um objetivo, este objetive será conjetural e temporário. Pode-se acumular a riqueza quando se estiver enfrentado por incerteza e angústia ante a morte?

Adorar a Allah constituí a finalidade da vida

Contrariamente, a Fé em Allah dá ao crente a razão da sua existência.  No Islam, a finalidade da vida é a de adorar Allah. Adorar Allah significa obedecer-Lhe em tudo quanto nos ordenou e abster-se de tudo quanto nos proibiu.

A finalidade do Islam é uma finalidade clara, bem definida, documentada de fontes autênticas. O verdadeiro Muçulmano apega-se neste objetivo em todas as etapas desta vida desde a sua infância até a sua morte. Adorar Allah dá um verdadeiro sentido à esta vida especialmente na estrutura do Islam. O Islam ensina-nos  que esta vida não passa de uma curta etapa da nossa razão de existir.  Ademais, há a vida depois da morte, a primeira vida e segunda vida são separadas mediante a prova da morte o que é uma etapa necessária entre essas duas vidas. As condições da nossa segunda vida são determinadas em conformidade com as nossas obras nesta vida. Depois do tempo de morte vem o dia de Julgamento para todos; é o Dia em que Allah recompensar-nos-á ou punir-nos-á segundo as nossas obras nesta vida.

A primeira vida é um teste

Assim Islam considera a primeira vida como um período de exame/teste, a morte é semelhante ao período de repouso após o exame/teste, e o dia de Julgamento é semelhante ao dia de publicação de resultados. Nossa condição na segunda vida é resultado das nossas obras nesta vida, cada um será retribuído segundo aquilo que ele terá feito com o bem ou mal de acordo com o julgamento de Allah. No Islam, o percurso da vida é simples, claro e lógico. A vida terrestre, a etapa da morte, até ao Dia de Juízo Final e a vida de Além, quer seja no Paraíso ou no Inferno.

Com este conhecimento do desenrolar da existência o muçulmano sabe qual é seu objetivo nesta vida. O muçulmano sabe que Allah é seu Criador. O muçulmano sabe ele deve passar um período determinado nesta vida e deve obedecer a Allah pois que ele será julgado sobre a sua proximidade ou afastamento às ordens do seu Criador na sua vida privada e pública. O muçulmano está consciente de que as suas obras nesta vida determinarão a sua condição na vida de Além.   O muçulmano sabe que esta vida é curta, e compreende cerca de 70 anos mais ou menos ao passo que a vida de Além é eterna.

A segunda vida é eterna

O conceito da vida eterna depois do último Julgamento tem um efeito primordial sobre a maneira como o muçulmano vai agir e comportar-se nesta vida na medida em que a sua condição na vida de Além será resultado da sua conduta nesta vida. Tendo em conta que  esta crença de retribuição no Dia de Juízo Final e a vida eterna no mundo de Além, a vida do muçulmano toma uma outra maior dimensão, suas ações, seus pensamentos estarão orientados às obras que visam obter a Misericórdia de Allah e entrar ao Paraíso. Por outras palavras, a orientação permanente do muçulmano é de submeter-se a Allah, obedecer-Lhe e manter uma ligação com Ele mediante a realização dos mandamentos obrigatórios como por exemplo: as orações, a caridade, o jejum de Ramadan, a Peregrinação e assim como a realização de todas outras boas obras ensinadas por Profeta Muhammad (Paz e bênçãos de Allah o cubra) tanto quanto puder.

A necessidade pela existência de um objetivo permanente

Os incrédulos tem todo tipo de fins/propósitos nas suas vidas como por exemplo: enriquecer-se, adquirir mais propriedades, satisfação das necessidades físicas, o sexo, a  comida, o álcool, a música, a dança, os jogos. Todos esses objetivos são temporários e conjeturais e eles não podem de maneira alguma estabilizar ou estruturar a conduta de uma vida. Mas o Islam preserva o muçulmano em perder-se nas ilusões transitórias pois que o seu propósito é muito mais elevado, o seu propósito é o de procurar a satisfação a a Misericórdia de Allah e de ser introduzido ao Paraíso.

Que a paz e bênçãos de Allah estejam com o Profeta, com a sua família, e os seus companheiros.